Aparato do Entretenimento: Folclore visível: as lendas brasileiras em produções do exterior
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Folclore visível: as lendas brasileiras em produções do exterior


Créditos - Netflix/Divulgação/Reprodução

Saudações! "Cidade Invisível" se tornou favorita dos seriadores da Netflix, eficaz em conquistar até arrobas que sequer tinham interesse em produções nacionais dessa e de outras plataformas de streaming.

Depois de "Rio" e "Rio 2", o criador Carlos Saldanha deixa o carnaval carioca para fazer o que a série "Once Upon a Time" fez com os contos de fada: "Cidade Invisível" mescla lendas do folclore brasileiro a dramas atuais e com pé na realidade.

FORMOSA: A Iara (Jéssica Corés) em "Cidade Invisível". Créditos - Netflix/Divulgação/Reprodução

O sucesso também alcança os estrangeiros e expõe a muitos brasileiros o potencial narrativo de figuras conhecidas do nosso folclore de modo nada tosco, ao contrário da infame "Os Mutantes".  

"Cidade Invisível" chama a atenção ao adaptar uma mitologia rica e comumente restrita a produções infantis. Dessa forma, incentiva o brasileiro a mergulhar na sua própria fantasia.


CHAPÉU NA CABEÇA: O boto cor-de-rosa seduz o mundo em "Cidade Invisível". Créditos - Netflix/Divulgação/Reprodução

Sendo assim, a Cuca (que ficou conhecida no mundo através de memes) não habita o imaginário os gringos sozinha. A mitologia brasileira volta e meia inspira histórias pensadas lá fora, com referências curiosas - a maioria delas despercebida pelo grande público.

Siga o nosso perfil no Instagram
@aparato_entretenimento



Do Curupira à Mula sem Cabeça, confira algumas ocasiões em que a nossa galeria de seres fantásticos inspirou produções no exterior. 




BEASTMASTER - Cada nação tem o "Hércules" que merece. Buscando ineditismo
, esta aventura apostou em lendas brasileiras como alternativas a seres mitológicos já saturados no gênero fantástico. 

Intitulada "Mestre das Feras" no Brasil, "BeastMaster" é baseada em um filme homônimo de 1982, por sua vez inspirado nos livros de Andre Norton. A fantasia traz o protagonista Dar, um guerreiro capaz de falar com animais.

A então estreante Emilie de Ravin como a Curupira e a atriz Sam Healy como Iara em "BeastMaster" (1999). Créditos - Reprodução

Na Curupira, Dar encontra uma aliada, enquanto a Iara é uma adversária. As duas são descritas na série como demônios, ou espíritos da floresta. A adaptação manteve fielmente os pés virados para trás e a grafia dos nomes, de origem tupi. 

Além de proteger os animais, a Curupira australiana também era possuidora de um beijo mortal.


Famosa por estrelar "Lost" e "Once Upon a Time", Emilie de Ravin interpretou a Curupira em seu primeiro papel. A atriz Sam Healy viveu a Iara, personagem recorrente na segunda temporada. 



"O MONSTRO DA LAGOA NEGRA" E "A FORMA DA ÁGUA" - O mito de um ser metade homem, metade peixe vivendo no rio Amazonas chegou aos ouvidos do ator e produtor William Alland durante as filmagens do célebre "Cidadão Kane" (1941). 



Mais de uma década depois, as sinopses escritas por Alland - baseadas no causo - viraram o clássico "O Monstro da Lagoa Negra" (1954). 

Além da mitologia tupiniquim, a história tem pitadas de "A Bela e a Fera" e com direito a ambientação na floresta amazônica... *reproduzida* em estúdios na Flórida e na Califórnia.

QUEM ME DEIXA SER UM PEIXE: lendas amazonenses dão forma a "O Monstro da Lagoa Negra" (1954) e "A Forma da Água"(2017). Créditos - Reprodução da Internet

Em 2011, o mestre Guillermo del Toro teve sua ideia de refilmar o clássico rejeitada pela Universal Pictures. 

Sendo assim, o cineasta mexicano transformou o rascunho em mais um de seus cultuados contos de fada modernos: "A Forma da Água" (2017). 


As referências ao Ipupiara - a contraparte masculina da Iara, embora de aparência menos simpática - foram mantidas. O Ipupiara
 é uma das, se não a primeira lenda brasileira historicamente registrada, descrito como um monstro marinho devorador de ribeirinhos e tranquilizado com oferendas.

FUSÃO: Os mitos brasileiros mesclados em Hollywood. Créditos - Reprodução da Internet

O similar Caboclo D'Água seria um protetor anfíbio das águas do rio São Francisco, também presenteado com oferendas como cachaça e tabaco. 

O sedutor homem-peixe de del Toro não é um tritão qualquer, mas uma divindade adorada por locais de sua região - quase como o que contam essas lendas.




"HARRY POTTER" E "MULHER-MARAVILHA": Mitologias dos quatro cantos do mundo inspiraram a
 controversa autora J. K. Rowling na criação dos animais fantásticos que habitam o universo de Harry Potter.

Onde habitam, também estão localizadas diversas escolas de magia - e o Brasil não fica de fora.

Uma caipora no universo de Harry Potter. Créditos - Reprodução 


No site Pottermore, Rowling revelou que a escola brasileira, nomeada Castelobruxo (salve, TV Cultura) opera em um estereotipado templo inca na Floresta Amazônica.

Seres espirituais, as caiporas são as guardiãs noturnas da escola. Espevitadas, foram recusadas por Hogwarts quando Benedita Dourado - a nossa diretora - as ofereceu, para que a escola visse que o fantasma troleiro Pirraça (ignorado pelos filmes da saga) estava longe de ser um problema.

Créditos - DC Comics

Naturalmente, nosso folclore está para a amazonense Yara Flor - a nova Mulher-Maravilha da DC - como a mitologia greco-romana é plano de fundo das aventuras de Diana de Themyscira. De cara, a estreia da guerreira expôs as ligações mitológicas de Yara com divindades indígenas.

Logo em sua primeira edição, Yara conta que Zeus foi outrora vizinho de trono do deus Tupã, deidade tupi-guarani cultuada pelos índios e também tida como um Senhor dos Trovões. 

A caipora virou personagem nas histórias de Yara, acompanhando-a em uma jornada ao submundo em uma missão de resgate a amazonas capturadas por Hades. Na edição de estreia, a guerreira reclama de a Caipora ter enviado um Boitatá - a lendária serpente de fogo - para atacá-la.

Siga a nossa revista no Flipboard
View my Flipboard Magazine.

A recente edição número 1 de "Superman and Wonder Woman" trouxe divindades das crenças da tribo Kamaiurá do Alto Xingu, em Mato Grosso. Na HQ, Yara visita os irmãos Kuat (o Sol) e Iae (a Lua), que vivem em um sítio no interior de São Paulo. 

VOO SIDERAL NA MATA, UNIVERSO PARALELO: Acima, as Mulas sem Cabeça versão DC Comics; abaixo, os fazendeiros Kuat (o Sol) e Iae (a Lua), deidades da mitologia indígena do Alto Xingú. Créditos - DC Comics/Reprodução

Enquanto Kuat se estranha com o vilão Solaris, a Mulher-Maravilha recorre à Mula sem Cabeça de Iae para resgatar vítimas de um incêndio florestal.

Porém, esta homenagem se restringe à nomenclatura: o ser incandescente em nada se assemelha à assombrosa criatura amaldiçoada do saber popular - primeiro, por ter uma cabeça.

DC Comics põe Zeus ao lado de Tupã em "Wonder-Woman". Créditos - DC Comics/Reprodução

Com uma super-heroína brasileira em destaque e ainda em suas primeiras aventuras nas páginas, o Universo DC só deve aprofundar ainda mais os leitores do mundo na nossa mitologia, em edições futuras.
 



"AKUMA-KUN" E "MAX PAYNE": Publicado entre 1963 e 1967, o mangá "Akuma-Kun" teve no elenco a figura que simboliza o folclore brasileiro - o Saci. Nomeado sashiparare (サシペレレ), o personagem também está presente no anime produzido no final da década de oitenta. 

Créditos - Reprodução da Internet

Porém, enquanto a Austrália deixou os pés do Curupira voltados para trás, o Saci-Pererê de "Akuma-Kun" sofreu uma alteração estética drástica - ao menos no anime, o personagem possui as duas pernas. 

Créditos - Reprodução da Internet

Fora isso, o gorro e o cachimbo o tornam reconhecíveis. Ao invés da carapuça, o famoso pito é a fonte dos poderes e o ponto fraco do Saci, descrito como um demônio na história. 

Sua habilidades também incluem super força centrada nas pernas e, claro, o redemoinho.

Japão veste a carapuça brasileira com o Saci de "Akuma-Kun". Créditos - Reprodução da Internet

Em "Akuma-Kun", o senhor dos ventos brasileiro é penúltimo de doze apóstolos que o personagem título precisa reunir. Expandindo as referências à nossa cultura, o protagonista o encontra no Brasil.

O Saci também aparece no jogo inspirado no anime.

GRANDE FINAL: O Saci no anime "Akuma-Kun". Créditos - Reprodução da Internet

Por falar em games, o Saci também faz aparição - no melhor estilo Duende Verde - em um dos modos de "Max Payne 3". 

Esverdeado e usando uma perna de pau, o personagem ganha maior poder de fogo com uma Stun Gun e algumas granadas - sendo que já é capaz de um estrago sem essas armas.

Créditos - Reprodução da Internet




Siga o nosso perfil no Pinterest






Siga o nosso perfil no Google News


Siga-me no Twitter: @zevirtovsf 



Aparato do Entretenimento

Criado em 2014, o "Aparato do Entretenimento" traz ao seu leitor uma gama versátil de conteúdo. Conta com colunistas especializados em áreas de atuação diferentes, que visam desta forma atender a você querido(a) leitor(a). Além da sua visita, esperamos ser seus amigos e como seremos pode nós dar aquela dica para melhorar, um puxão de orelha, elogiar. Acima de tudo queremos sua participação.


0 thoughts on “Folclore visível: as lendas brasileiras em produções do exterior