Aparato do Entretenimento: Mulher-Maravilha: a série de televisão cancelada
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Mulher-Maravilha: a série de televisão cancelada


ORIGEM SECRETA: Proposta de série de TV da semideusa amazona cometeu erros grotescos em 2011. Créditos - Divulgação/Reprodução da Internet

Saudações! Recentemente, o mandaloriano Pedro Pascal brincou com um comparativo entre contracenar com o Baby Yoda e com Gal Gadot, estrela do aguardado "Mulher-Maravilha 1984". No longa, o ator vive o vilão Maxwell Lord. "Eu prefiro a Gal a qualquer outro ser no universo", afirmou Pascal. 

Estaria ele incluindo uma outra atriz que encarnou a Mulher-Maravilha e com a qual também contracenou, em tempos bastante diferentes para as super-heroínas em live-action?

Pedro Pascal vive Maxwell Lord em "WW84". Nas HQs, Lord foi assassinado pela Mulher-Maravilha. Créditos - DC Films/Atlas Entertainment/The Stone Quarry/Mad Ghost Productions/Warner Bros. Pictures

Em 2011, Pascal atuou em uma produção falha baseada na Mulher-Maravilha. Naquele ano, a televisão americana apostava na nova adaptação em live-action da Princesa Amazona - a série "Wonder Woman". 

ARQUIVOS SECRETOS E ORIGENS: Pedro Pascal como o detetive Ed Indelicato em "Wonder Woman" (2011). Créditos - Reprodução da Internet 

Bastante antecipado, o episódio piloto sofrível acabou rejeitado pelo canal NBC. Os tempos eram tão outros que esse cancelamento, junto ao da série "Human Target" e o fim de "Smallville", fizeram o site Deadline prever que nenhuma série baseada em quadrinhos iria ao ar "pelos próximos dez anos". 

Risos.

Abaixo, alguns dos cliques das gravações do episódio piloto no Hollywood Boulevard em Los Angeles, que repercutiram na época:
 

Créditos - Divulgação/Reprodução da Internet

Nos "flagras", a Mulher-Maravilha persegue um bandido pela famosa via. As cenas - cujas gravações estão disponíveis no Youtube, bem como trechos do episódio piloto em si - seriam as primeiras da personagem na série, desenvolvida pelo produtor e roteirista David E. Kelley.

Siga o nosso perfil no Instagram
@aparato_entretenimento


Após o clássico de 1975 com a estrela Lynda Carter, "Wonder Woman" foi mais um capítulo da novela longa que só teve fim em 2017: trazer a Mulher-Maravilha de volta ao live-action. 

SUPER MULHER: Além de já ter vivido mais de uma heroína, Adrianne Palicki também é autora da HQ "No Angel". Créditos - Reprodução da Internet

Aos olhos dos público, o material já começou errando. Em 2010, a Mulher-Maravilha ganhou um novo traje pelos traços de Jim Lee nas HQs e a mudança dividiu opiniões. Abandonando o look clássico pela primeira vez, Diana de Themyscira ganhou jaqueta e calças longas e escuras. 

Aparentemente, a série de David E. Kelley buscou referência nesse design em particular. Em seguida, foi forçada a alterá-lo após reclamações dos fãs:

Da esquerda para a direita: o design de Jim Lee da época, o look original da série, a primeira alteração e a última, mais próxima do traje clássico. Créditos - DC Comics/Divulgação/Reprodução da Internet

Eis um exemplo de tentativa falha à reprodução fiel de um visual clássico das HQs - algo que "X-Men: O Filme" (2000) temia e "Homem-Aranha" (2002) soube trabalhar.

Prolífico, Kelley é conhecido por tramas de sucesso como "Ally McBeal" e a mais recente "Big Little Lies". Kelley admitiu seu desconhecimento do subgênero dos super-heróis em entrevista, ao ser questionado sobre o que teria mudado no piloto, se tivesse a chance:

O gênero era muito diferente pra mim e eu tinha muito o que aprender. Minha curva de aprendizado teria melhorado. Estou triste por não termos conseguido [...].
 



Kelley encontrou abertura para sua visão da Mulher-Maravilha na TV após o filme da semideusa amazona, que nunca saía do papel, acabar engavetado. A greve dos roteiristas em Hollywood em 2007 também havia mandado o longa "Justice League: Mortal" para o limbo. 

Em "Mortal", a australiana Megan Gale encarnaria Diana.


 

Para a série, David E. Kelley não poderia ter encontrado atriz com melhor potencial para encarnar a Mulher-Maravilha do que Adrianne Palicki - que mais tarde seria a Harpia de "Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D".  

A atriz não só já tinha feito parte de "Smallville" e do episódio piloto de "Aquaman", série do herói também cancelada, como as HQs já faziam parte de sua vida antes de ela interpretar mais de uma personagem de suas páginas.


Em 2017, Adrianne Palicki revelou ser grande fã de quadrinhos desde a infância, citando Supergirl, Vampira (dos X-Men) e a própria Mulher-Maravilha como suas favoritas. A atriz também criou a HQ "No Angel" ao lado do irmão, Eric Palicki. Na entrevista ao BUILD, ela lembrou sua participação no piloto:

Interpretar a Mulher-Maravilha foi surreal. [A série] não foi pra frente e devo ter chorado até dormir por semanas. Mas estou bem agora, feliz que realmente estejam fazendo [o filme com Gal Gadot], e da maneira correta.
Apesar do resultado constrangedor, a versão de Palicki tinha muito para ter sido feita da maneira correta. O elenco era decente, a começar pela atriz protagonista.




David E. Kelley repetiu um vício antigo dos estúdios que apostavam em super-heróis, já não tão comum em 2011: ignorar os quadrinhos que os inspiram.  

Como se tivesse tido preguiça de ler ao menos o perfil da Mulher-Maravilha - ou assistido à animação soberba de 2009 -, Kelley varreu 90% da mitologia que poderia ter usado para introduzi-la no episódio piloto, nem que fosse por flashbacks. 

Ou seja, nada de Themyscira, amazonas, deuses do Olimpo ou uma jornada no Mundo dos Homens.



Na trama, a Mulher-Maravilha é uma vigilante em Los Angeles e rainha das Indústrias Themyscira. A identidade heroica é de conhecimento público, tanto quanto seu posto na empresa. O conglomerado opera como uma agência particular gigante de combate ao crime, ao mesmo tempo em que cuida do
 marketing da heroína - produzindo, por exemplo, bonecas de seios avantajados que deixam Diana desgostosa. 

"Não venderei meus seios", diz ela. Exatamente o que o episódio piloto faz, com forte (e datado) apelo sensual na caracterização de Adrianne Palicki como Mulher-Maravilha. 

Siga a nossa revista no Flipboard
View my Flipboard Magazine.

Para poder ter uma vida normal, Diana cria a identidade civil de "Diana Prince", também assistida pelas Indústrias Themyscira. Solitária, ela sofre por ter rompido com Steve Trevor pouco antes de decidir se tornar heroína - tudo a ver com as mulheres que David E. Kelley estava acostumado a retratar... e em nada a ver com a Mulher-Maravilha. 

Nem Etta Candy, feminista à frente de seu tempo e eterna melhor amiga de Diana nas HQs, aparece para ajudá-la. Tamanha é a solidão de Diana, que seu único "amigo" no Facebook é o gato Sylvester (a estreia do Frajola em live-action).

HASHTAG CHATEADA: Tracie Thoms, intérprete de Etta Candy, se manifesta sobre o cancelamento de "Wonder Woman". Créditos - Tracie Thoms no Twitter/Reprodução

No episódio, Etta não é mais que a assistente pessoal de Diana na empresa. Tracie Thoms ("9-1-1") deu vida à personagem e manifestou seu descontentamento com o cancelamento da série no Twitter, na época:

Fico muito triste pela NBC ter rejeitado 'Wonder Woman'. Mas isso serve para mostrar a vocês: não há "coisa certa" nesta indústria. #chateada




Outro "aliado" de Diana é macho muito escroto Henry Detmer (Cary Elwes, de "Jogos Mortais"). Após Diana reclamar das bonecas, Detmer lhe faz um questionamento infeliz: "É tudo por causa do Steve, não é?" O pior de tudo é que era, de fato.

Um aspecto triste da trama de teor machista e remanescente da fase tenebrosa da heroína nos quadrinhos, nos anos 1950. Pós-Segunda Guerra Mundial, a Mulher-Maravilha foi transformada em uma "mulher do lar", até ser restaurada como ícone feminista na década de 1970 pela jornalista Gloria Steinem. 

Bem mais que um episódio piloto bizarro, a adaptação proposta por David E. Kelley é um desfavor histórico à heroína.

Em "Wonder Woman", era tudo por causa do Steve. Créditos - Reprodução da Internet

Além de machismo, o episódio também atualiza as representações racistas dos primeiros quadrinhos da Mulher-Maravilha - na trama, ela é movida pelas mortes de atletas universitários negros, "todos do gueto". Estereótipos inerentes que esmurram na cara a diversidade representada em Etta Candy, na série, uma mulher afro-americana. 

Em contrapartida, Adrianne Palicki impressiona por ser uma total versão de carne e osso da Mulher-Maravilha de "Liga da Justiça Sem Limites", com a presença necessária e mesclando a bravura e a amabilidade clássicas da personagem. Contudo, a "heroína" se revela surpreendente e desnecessariamente impiedosa: aqui, ela tortura e empala os bandidos para salvar o dia. 

A tortura gratuita se dá quando a Diana opta pela dor física para arrancar informações do bandido capturado, ignorando o Laço da Verdade.

OUTROS TEMPOS: Edição da revista "TV Guide" na época, com divulgação de "Wonder Woman" no detalhe. Créditos - Reprodução da Internet 

Ainda que a Diana das HQs já não hesite tanto em tirar uma vida quanto o Batman ou o Super-Homem, a matança da Mulher-Maravilha cancelada a torna uma anti-heroína em cena e arruína a última das sequências de ação que até salvam o episódio piloto. A valer, o massacre vulgariza discussões sobre a moral da heroína, que teve sua reputação e amizade com Superman e Batman abaladas após ela matar Maxwell Lord, nos quadrinhos.

Sanguinária, a personagem aparenta ser uma paródia pobre da Mulher-Maravilha tirana e assassina do universo de Flashpoint. 

Esse aspecto acaba dando razão a "vilões" que visam investigar as Indústrias Themyscira pelos métodos utilizados no combate ao crime, como o que pretende o Senador Warren, vivido por Edward Herrmann ("Gilmore Girls"). Quando Diana mata friamente em combate ou utiliza escutas ilegais em suas missões - o que é citado no episódio - eles têm razão em marcá-la. 

Adrianne Palicki como Bobbi Morse/Harpia em "Agentes da S.H.I.E.L.D." e Elizabeth Hurley como Morgana em "Fugitivos", ambas no Universo Cinemático Marvel. Atrizes tiveram talento desperdiçado em "Wonder Woman". Créditos - Divulgação/Reprodução da Internet

No piloto, Diana tem como missão parar a produção de um suplemento que vem matando os atletas citados, criado pela vilã Veronica Cale. 

A atriz Elizabeth Hurley - outra que mais tarde entraria para o Universo Cinemático Marvel, como a Morgana Le Fay de "Fugitivos" - era perfeita para interpretar Cale como a personagem foi pensada pelo criador, Greg Rucka: um "Lex Luthor" para a Mulher-Maravilha. Infelizmente, ela nada tem a fazer na história. 

Tracie Thoms como Etta Candy em "Wonder Woman". Visual da personagem foi incorporado pelas HQs nos Novos 52. Créditos - Reprodução da Internet

As aparições de Veronica Cale se resumiram a uma ameaça (válida) de processo por ter sido acusada em público de matar os jovens, e ao desfecho anticlimático em que Diana a captura após massacrar seus capangas. 

Por David E. Kelley não entender o universo buscava adaptar, os talentos das duas atrizes acabaram desperdiçados, prejudicados pelo enredo superficial.

Siga o nosso perfil no Pinterest

Todo vigilante que se preze tem suas ligações ou conflitos com a polícia. O Comissário Gordon de Diana é o detetive Ed Indelicato, vivido por Pedro Pascal. Um personagem original e com o qual Diana entra em atrito pelos métodos bruscos, sedenta por justiça aos extremos.  




Antes do cancelamento, a sinopse oficial sobre uma Mulher-Maravilha "contemporânea" vivendo em ambiente corporativo 
chegou a ser comparada ao infame "Mulher-Gato" (2004) - um indicativo de que a adaptação de David E. Kelley cometeria os mesmos erros grotescos do filme que se tornou uma razão de Hollywood temer as super-heroínas: ignorar o material original, a mitologia e a essência da personagem na tentativa de trazê-la ao "mundo real". 


Siga o nosso perfil no Google News

Na última cena do episódio, Diana Prince assiste, sozinha e chorosa, à jornalista verídica Nanny Grace comentando o quão feliz seria se pudesse ser a Mulher-Maravilha por um dia. O último take deixa claro que *feliz* é tudo o que a protagonista não é, seja como Diana Prince, Diana Themyscira ou Mulher-Maravilha - um desfecho adequadamente deprimente para uma adaptação que conseguiu trair a heroína de todas as formas possíveis.

Abaixo, Diana representando qualquer espectador que tenha se desafiado a assistir ao piloto de "Wonder Woman", seja por curiosidade ou por ser um aficionado pela Mulher-Maravilha. Neste último caso, a experiência será bem pior.

Créditos - Reprodução da Internet



Siga-me no Twitter: @zevirtovsf 



Aparato do Entretenimento

Criado em 2014, o "Aparato do Entretenimento" traz ao seu leitor uma gama versátil de conteúdo. Conta com colunistas especializados em áreas de atuação diferentes, que visam desta forma atender a você querido(a) leitor(a). Além da sua visita, esperamos ser seus amigos e como seremos pode nós dar aquela dica para melhorar, um puxão de orelha, elogiar. Acima de tudo queremos sua participação.


0 thoughts on “Mulher-Maravilha: a série de televisão cancelada