Aparato do Entretenimento: CRÍTICA: Visceral e intensa, Hebe narra a trajetória da rainha da TV brasileira com muita propriedade
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

CRÍTICA: Visceral e intensa, Hebe narra a trajetória da rainha da TV brasileira com muita propriedade

Andréa Beltrão como Hebe Camargo - Créditos: Globoplay/Rede Globo

Hebe, somente Hebe.


Estreou nesta quinta-feira, 12 de dezembro, no Globoplay, a aguardada minissérie de 10 capítulos sobre a vida da mais icônica apresentadora brasileira, Hebe Camargo. Idealizada para ser um filme, focado nos anos 80, a minissérie retrata a vida da artista, da adolescência até seus últimos dias, além de ir ao ar pelo streaming, será exibido na TV aberta em 2020. 


Siga o nosso perfil no Instagram


André Beltrão interpreta Hebe Camargo na série — Foto: Henrique Hennies


Hebe é uma minissérie que mostra os anos inicias da vida da rainha da TV brasileira, e em como ela se tornou uma estrela de sucesso, enfrentou os anos de chumbo, peitou emissoras, diretores e o governo, sem nunca esquecer seu público e sua própria essência. Produzida pelos Estúdios Globo, com aval da família da saudosa apresentadora, a produção é escrita por Carolina Kotscho, com a direção artística de Maurício Farias e direção de Maria Clara Abreu.

Pôster promocional de Hebe - Créditos: Globoplay

Andréa Beltrão é quem interpreta Hebe em sua fase adulta e mais emblemática, Andreia imprime a voz e os trejeitos da apresentadora de forma tão perfeita, que se fecharmos os olhos, Hebe se manifesta em nossas lembranças. Como uma pessoa comum, Hebe bebia, falava palavrão e não tinha medo de falar a verdade, dava esporro em diretores, e vivia seus amores até os limites que ela mesmo estabelecia. Valentina Herszage, depois de estrear em Pega Pega, encarna Hebe em sua fase jovem, a voz e a caracterização da atriz a tornou Hebe de tal forma que podemos sentir os amores e desamores que Hebe viveu.

Valentina Herszage vive Hebe na fase jovem — Foto: Henrique Hennies

Os 10 capítulos da minissérie não são narrados de forma linear, os flashbacks de Hebe no decorrer da história nos levam a conhecer o passado e a verdadeira personalidade da rainha da TV brasileira. A trilha sonora com músicas de época, nos remente a era do rádio, e os bons musicais que Hebe levou para a TV brasileira, nos faz sentir saudades de uma época em que Hebe brilhou e viveu o auge da TV brasileira.

Marco Ricca é Lélio Ravagnani — Foto: Henrique Hennies

Hebe, traz nomes de peso, como Gabriel Braga Nunes, Caio Horowicz, Marco Ricca, Danton Mello, Daniel de Oliveira, Claudia Missura, Karine Telles e Emílio de Mello, dentre outros. 

Caio Horowicz interpreta Marcello Camargo, filho de Hebe Camargo — Foto: Henrique Hennies

Hebe viveu, brilhou, e nós encantou por décadas e décadas, com sua irreverência, naturalidade, popularidade. Hebe transformou seu próprio nome em adjetivo, se mostrando uma gracinha, e virando uma estrela na constelação da eternidade no coração de todos os brasileiros, uma Hebe, somente Hebe.

Siga-me no Twitter: @ErComenta  



Aparato do Entretenimento

Criado em 2014, o "Aparato do Entretenimento" traz ao seu leitor uma gama versátil de conteúdo. Conta com colunistas especializados em áreas de atuação diferentes, que visam desta forma atender a você querido(a) leitor(a). Além da sua visita, esperamos ser seus amigos e como seremos pode nós dar aquela dica para melhorar, um puxão de orelha, elogiar. Acima de tudo queremos sua participação.


0 thoughts on “CRÍTICA: Visceral e intensa, Hebe narra a trajetória da rainha da TV brasileira com muita propriedade