Aparato do Entretenimento: Relembrando Sucessos: Abraça-me Muito Forte, um drama rural denso em uma produção inesquecível
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Relembrando Sucessos: Abraça-me Muito Forte, um drama rural denso em uma produção inesquecível

Aracely Arámbula em foto promocional da novela: Créditos: Televisa S.A

Em 1999 o produtor Salvador Mejía Alejandre lançou uma de suas novelas mais ambiciosas que foi chamada de 'Rosalinda', a trama que marcava a volta de Thalía as novelas após o estrondoso sucesso de 'Maria do Bairro', estreou rodeada de expectativa, mas o folhetim não atendeu ao que se esperava tendo uma audiência bem razoável e foi a primeira novela do produtor a não ser um sucesso.


Já no ano seguinte Mejía decidiu apostar todas as suas cartas em um remake da novela 'Pecado Mortal' de 1960 produzida por Ernesto Alonso. A jogada de Mejía funcionou e com uma boa adaptação e a escalação de um grande elenco o produtor lançou o grande sucesso do ano 2000 e uma das melhores produções rurais da Televisa: 'Abraça-me Muito Forte'.



Siga o nosso perfil no Instagram
@aparato_entretenimento


Victoria Ruffo e Aracely Arámbula em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

Na fazenda Platanal, vive Severiano Álvarez, um homem muito autoritário, e sua família. Cristina, sua filha, é uma jovem muito doce, querida por todos. Mas ela esconde um segredo. Cristina é completamente apaixonada por Diego, o capataz da fazenda e está grávida dele. Ela acaba confessando sua história para o pai. Severiano, enfurecido, ordena que Cristina vá para a cidade, para poder ter o bebê longe de todos os conhecidos. Estela, a empregada da fazenda a acompanha na viagem.

Frederico Rivero, um fazendeiro decadente se aproxima de Cristina e finge ajudá-la. Na verdade, ele quer se casar com ela para conseguir sua fortuna. Frederico consegue fazer com que a criança, Maria do Carmo, volte à fazenda como filha de Estela. Para ficar perto da filha, Cristina se casa com Frederico e cria Maria do Carmo como afilhada. Frederico, para poder se apoderar do dinheiro, provoca um acidente, que deixa Cristina cega.

Os anos passam e Maria do Carmo se torna uma jovem bela e muito bem educada, com a ajuda de Cristina. José Maria, um peão da fazenda, sonha em se casar com ela, pois pensa que ela é a filha da empregada.

Carlos Manuel, sobrinho de Frederico, chega à fazenda. Maria do Carmo se apaixona por ele na primeira vez que o vê. Mas o rapaz se envolve com Débora, a amante de Frederico, que fica furioso com a situação e faz o possível para separar o casal, mas não consegue apagar o amor que sentem um pelo outro.

Aracely Arámbula e Fernando Colunga em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

'Abraça-me Muito Forte' foi com toda certeza o maior acerto da Televisa no ano 2000. A produção de Salvador Mejía foi muito satisfatória, a adaptação a cargo de René Muñoz e Liliana Abud esteve no ponto certo com uma trama cheia de grandes personagens bem desenvolvidos e um cerne repleto de acontecimentos e reviravoltas, ao mesmo tempo em que ousaram ao apostarem em cenas que envolviam nudez ou um teor mais pesado e até mesmo macabro como a cena do exorcismo que ocorreu perto do final do folhetim. Mejía também acertou em cheio na escalação do elenco, repleta de astros mexicanos.



Um dos melhores pontos da produção foram os cenários, as belas locações naturais era um grande atrativo pra quem acompanhava a história e a fotografia também esteve de muito bom gosto, a abertura era simplesmente incrível e o tema musical interpretado Juan Gabriel inesquecível.



Nesse quesito de produção, acredito que a direção de cena a cargo de Miguel Córcega deixou um pouco a desejar, deu a impressão que alguns atores poderiam ter tido um desempenho melhor com uma direção mais adequada e que algumas cenas da reta final que foram consideradas verdadeiros circos como a de Estela voando endemoniada, poderiam ter sido evitadas com uma direção mais correta. Acredito que a produção também deixou a desejar quando colocou Victoria Ruffo com 38 anos na época para interpretar sua personagem com 15 anos, isso não convenceu mesmo.


Fernando Colunga em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A


Com um elenco repleto de astros os destaques certamente foram muitos. A começar por Victoria Ruffo na pele da abalada Cristina uma jovem que era obrigada a se separar de sua filha e que ficava cega por culpa de seu marido Frederico. A atriz se saiu muito bem no papel e cativou o telespectador devido a judiação que sofreu ao decorrer de todo o folhetim.

Fernando Colunga vinha mostrando crescimento em cena e teve uma atuação OK como Carlos Manuel, acredito que se tivesse tido uma direção de cena mais competente, com certeza o ator poderia ter apresentado um desempenho superior.

Aracely Arámbula esteve muito bem da pele de Maria do Carmo, a atriz tem muito carisma e talento e juntamente com a força de sua personagem em cena que era uma jovem bem determinada e que rendia ótimos confrontos com a vilã Débora, fez com Maria do Carmo conquistasse o telespectador. Aracely por sinal ganhou destaque nas revistas de fofocas devido a algumas indisciplinas que cometeu nos bastidores do folhetim, como chegar atrasada as gravações ou fazer corpo mole durante as cenas.

Pablo Montero teve um dos melhores papéis de sua carreira na pele do bondoso José Maria, um jovem eternamente apaixonado por Maria do Carmo. Esse papel é disparado um dos melhores da carreira do ator, para muitos inclusive é considerado o melhor de sua trajetória.

César Évora e Nailea Norvind em foto promocional do folhetim - Créditos: Televisa S.A

O time de vilões da novela veio simplesmente com tudo. Nailea Norvind interpretou a ambiciosa Débora Falcão, uma mulher que era capaz de tudo por dinheiro, a personagem era insuportável e seus barracos com Maria do Carmo caíram nas graças do público.

Helena Rojo esbanjou talento em cena na pele das misteriosas gêmeas Diana e Juliana, todos imaginavam que uma era boa e outra na má, mas na verdade uma era má e a outra louca, as personagens foram bem trabalhadas na adaptação e com uma atriz talentosa como Helena Rojo a cargo de interpretá-las, era impossível não fazer sucesso.

Rossana San Juan e César Évora em foto promocional do folhetim - Créditos: Televisa S.A

Rossana San Juan se saiu bem na pele da detestável Estela, uma mulher capaz de tudo para subir na vida e que virava uma das amantes de Frederico no início do folhetim e que criava Maria do Carmo como sua filha. Vale dizer que o público não engoliu muito bem essa escalação de Rossana já que a atriz é apenas cinco anos mais velha que Aracely. Ainda assim a atriz tem uma das cenas mais memoráveis do folhetim, na qual Estela era exorcizada por um padre interpretado por Ernesto Alonso em uma participação especial.

Agora o maior destaque da novela ficou por conta de César Évora na pele do ensandecido Frederico Rivero. O homem era simplesmente o diabo em forma de gente, cometeu tantas atrocidades no decorrer da trama que seria preciso uma coluna só dele para listar todas. César arrasou na pele do vilão fazendo com que Frederico seja recordado por todos até hoje.

De negativo destaco Carmem Salinas na pele de Célia, o papel não teve um grande desenvolvimento por parte dos produtores e a direção de cena também não contribuiu. Vale dizer que essa foi a primeira novela que Carmem atuou com produção de Mejía, posteriormente ela participou de 'No Limite da Paixão', 'Mundo de Feras' e 'Triunfo del Amor', onde basicamente repetiu o papel de Célia em todas as produções citadas.

Osvaldo Ríos e Viictoria Ruffo em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A


No Brasil, foi exibida pelo SBT entre 01 de outubro de 2001 e 22 de abril de 2002 em 146 capítulos, substituindo a brasileira 'O Direito de Nascer' e sendo substituída por 'Amigas e Rivais'. Durante essa exibição foi um grande sucesso fechando com uma média geral de 12 pontos.

Foi reprisada entre 17 de março de 2014 e 30 de maio de 2014, substituindo 'A Madrastra' no horário da tarde. Porém devido a baixa audiência, a trama foi bastante cortada e teve seu fim antecipado, encerrando-se com apenas 53 capítulos e não tendo substituta. Nessa exibição fechou com apenas 4 pontos de média, a novela também enfrentou problemas com a classificação indicativa e teve muitas cenas importantes cortadas.

Nos Prêmios TVyNovelas de 2001 recebeu 13 indicações, saindo da premiação com 9 estatuetas, incluindo a de Melhor Novela e Melhor Ator para Fernando Colunga.

Fernando Colunga e Aracely Arámbula em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

No geral, 'Abraça-me Muito Forte' foi uma novela marcante, que não teve medo em apostar em uma trama repleta de ousadia, que cativou o público do começo ao fim. O elenco também contribuiu para esse grande sucesso em especial os vilões e a história repleta de reviravoltas também foi fundamental e por fim a produção de Salvador Mejía que mesmo com um deslize ou outro, soube conduzir muito bem a novela. Enfim, 'Abraça-me Muito Forte' é um clássico inesquecível.



Siga a nossa revista no Flipboard
View my Flipboard Magazine.



Siga o nosso perfil no Google News




Siga-me no Twitter: @EduardoOAlves2 



Aparato do Entretenimento

Criado em 2014, o "Aparato do Entretenimento" traz ao seu leitor uma gama versátil de conteúdo. Conta com colunistas especializados em áreas de atuação diferentes, que visam desta forma atender a você querido(a) leitor(a). Além da sua visita, esperamos ser seus amigos e como seremos pode nós dar aquela dica para melhorar, um puxão de orelha, elogiar. Acima de tudo queremos sua participação.


0 thoughts on “Relembrando Sucessos: Abraça-me Muito Forte, um drama rural denso em uma produção inesquecível