Aparato do Entretenimento: Relembrando Sucessos: Rubi, uma protagonista vilã em um folhetim que fez história
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Relembrando Sucessos: Rubi, uma protagonista vilã em um folhetim que fez história


Bárbara Mori em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

Em 1993 o produtor José Alberto Castro iniciava sua carreira de produtor executivo na Televisa. Entretanto nenhuma novela produzida por ele alcançou grandes índices, 'Valentina' estrelada por sua irmã Verónica Castro passou totalmente em branco, assim como 'Ángela' trama estrelada por sua esposa Angélica Rivera. Em 1999 lançou uma novela infantil chamada 'Serafín' que só rendeu dores de cabeça ao produtor devido as questões de direitos autorais e em 2001 lançou uma novela ambiciosa chamada 'Sin Pecado Concebido' que trazia Angélica Rivera e Carlos Ponce como protagonistas e Itatí Cantoral como a grande vilã, mas a novela não cativou o público em nenhum momento.

Já em 2004, o produtor resolveu apostar todas as suas fichas em uma nova versão de uma história original de Yolanda Vargas Dulché que trazia a vilã como a protagonista da obra. Nesse projeto o produtor lançou a novela que seria o grande sucesso de 2004 e que se tornaria um verdadeiro clássico: 'Rubi'.



Siga o nosso perfil no Instagram
@aparato_entretenimento


Bárbara Mori em foto promocional do folhetim - Créditos: Televisa S.A

No coração de Rubi reina uma luta constante entre o desejo de encontrar um grande amor e a obsessão desesperada pelo dinheiro. Esse desejo faz com que Rubi queira mudar sua situação econômica utilizando sua beleza como arma para casar-se com um homem rico que lhe proporcione a vida luxuosa que sempre sonhou. 

Na universidade que estuda, Rubi faz amizade com a doce e sensível Maribel, uma jovem milionária que ficou com um problema na perna depois de sofrer um acidente em que também perdeu sua mãe. Maribel pensa ter encontrado em Rubi mais do que uma amiga, uma irmã a quem ama sinceramente. A milionária nem imagina que o "afeto" de Rubi está envenenado pela inveja. Maribel passa a maior parte do tempo no computador com um rapaz chamado Heitor, por quem se apaixona. 

Heitor mora nos Estados Unidos e algum tempo depois volta ao país para conhecer Maribel, que omitiu do rapaz ser portadora de necessidades especiais. Heitor fica encantado por Maribel e lhe pede em casamento. Através de Maribel, Heitor conhece Rubi e lhe apresenta para seu melhor amigo, Alessandro, que é um jovem ortopedista que fica encantado com a beleza de Rubi. Alessandro fica apaixonado por Rubi.

Rubi fica muito feliz, pois além de estar apaixonada por Alessandro, também acredita que finalmente sua vida será mais justa, pois poderá se casar com um jovem rico, bonito e perdidamente apaixonado por ela. A felicidade de Rubi dura pouco, pois logo descobre que a família de Alessandro não é rica.

Rubi terá que escolher entre se casar com o homem que ama ou ir atrás do sonho de ser rica, mesmo que nunca volte a encontrar esse verdadeiro amor. A ambição acaba falando mais alto e Rubi rompe seu compromisso com Alessandro. Rubi, mais do que nunca, está decidida a se casar com um milionário nem que para isso tenha que cometer a pior das traições: roubar de Maribel o amor de Heitor.

Eduardo Santamarina, Bárbara Mori e Sebastián Rulli em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

Desde o começo a imprensa mexicana deu uma atenção bem especial para 'Rubi', já que não é qualquer novela que traz a vilã como protagonista. Um casting exaustivo foi feito para decidir quem interpretaria a personagem, atrizes como Anahí, Aracely Arámbula, Vanessa Guzmán, Nailea Norvind, Arleth Terán, Lisette Morelos e Patrícia Manterola estiveram cotadas para viver a personagem.

Mas José Alberto Castro decidiu inovar e causar ainda mais burburinho na imprensa ao trazer uma atriz de fora da Televisa para viver a personagem: Bárbara Mori. Mori que havia sido revelada em novelas da TV Azteca chegava a Televisa rodeada de expectativas e não decepcionou em nenhum momento. 

Bela, talentosíssima e carismática, fez de Rubi uma personagem inesquecível. Um dos maiores méritos de Mori foi não tentar transformar Rubi em mocinha durante a trama, desde o começo ela sabia que sua protagonista era uma vilã invertida e soube destilar o veneno dela como ninguém. Rubi além de marcar a estreia de Mori na Televisa, marcou muito que infelizmente também sua despedida, já que a atriz deixou as novelas depois desse trabalho.

Eduardo Santamira viveu o galã Alessandro e no geral se saiu bem, dando um gás na sua carreira que andava bem morna. Vale dizer que a primeira opção para Alessandro era Juan Soler que disse que só aceitaria participar da novela caso a protagonista fosse vivida por Patrícia Manterola. Pior pra ele que perdeu esse personagem que seria ótimo para seu currículo.

Jacqueline Bracamontes deu vida a sensível Maribel, melhor amiga de Rubi que tinha o noivo roubado por ela. Jacqueline é carismática e era notável que tinha talento para viver protagonistas em seguida, embora destaco aqui que apesar de sua atuação ser correta, ela repetia muito a mesma expressão fácil em vários takes da trama. Felizmente Bracamontes começou a corrigir esse problema em sua novela seguinte 'Feridas de Amor'.

Sebastían Rulli teve aqui o papel que foi o grande divisor de águas em sua carreira. Em 'Rubi' ele pode mostrar que era mais do que um rosto bonito e que tinha muito talento para interpretar personagens dramáticos. De negativo, destaco aquele cabelo oxigenado, algo de super mal gosto da produção por sinal.

Bárbara Mori, Ana Martín e Paty Díaz em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

Dentre os coadjuvantes muitos foram os destaques, a começar por Ana Martín na pele da abalada Rosário, mãe de Rubi que morria no meio da trama. Paty Díaz depois de interpretar Lalinha em 'A Usurpadora' viveu personagens sem grandes destaques, mas ao viver a sofrida Cristina, irmã de Rubi voltou a chamar a atenção dentro de uma produção.

Olivia Bucío arrasou na pele de Carla, uma mulher que sofria de Alzheimer muito jovem. A personagem foi bem desenvolvida pelos escritores e muito bem interpretada pela atriz. Ana Bertha Espín esteve competente como sempre na pele de Elisa, uma mulher que era casada com um homem que tinha outra esposa além dela.

Jacqueline Bracamontes em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

Leonorilda Ochoa esteve super cativante na pele de Dona Lola, personagem responsável pelo núcleo cômico da novela. Josefina Echánove que viveu Magda, a babá de Maribel também esteve muito bem na pele da personagem. Vale dizer que desde o início da novela Dona Lola e Magda eram as únicas que percebiam as verdadeiras intenções de Rubi.

A novela ainda contou com algumas atuações especiais onde se destacam, Sérgio Goyre na pele do mau caráter Tiago, Marlene Favela vivendo Sônia personagem responsável por uma das cenas mais clássicas do folhetim, Manuel Landeta na pele do detestável Conde de Aragão e Yadhira Carrillo como Helena personagem que roubou a cena na reta final do folhetim.

De negativo destaco Luis Gatica na pele de Caetano, o personagem era tão chato, que ninguém sentiu falta depois que ele morreu.

Sebastián Rulli e Yadhira Carrillo em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

Ao contrário dos que muitos pensam, 'Rubi' começou como um verdadeiro fracasso no México, acredito que alguns ficaram com a impressão de que a protagonista vilã vendida na divulgação da novela, tinha apenas ficado nas chamadas. Até que no capítulo 31 ocorreu a grande virada da novela, quando Heitor abandonava Maribel no altar e fugia com Rubi, a partir disso a audiência da novela cresceu e não parou mais.

Esse por sinal foi o único ponto que a adaptadora Ximena Suárez pecou em sua adaptação, acredito que poderia ter acrescentado alguns elementos para não deixar a história tão parada nesses primeiros trinta capítulos. Depois dessa virada, aí sim Ximena soube colocar elementos que deixaram a história bem ágil, repleta de personagens bem desenvolvidos.

O produtor José Alberto Castro teve uma produção de muito bom gosto, escalando um grande elenco, bons cenários, uma boa trilha sonora e um figurino adequado, embora tenha faltado bom gosto na produção quando colocou aquele peruca loira bem trash em Bárbara Mori. 

A direção de cena a cargo de Benjamín Cann foi outro ponto alto da novela. O tema de abertura intitulado 'La Descarada' interpretado por Reyli Barba fez tanto sucesso que a palava 'Descarada' passou a fazer parte do texto da novela e os fãs começaram a se referir a personagem por esse termo.

Em 2020, foi realizada uma nova versão mexicana dentro do projeto Fábrica de Sueños, o remake foi adaptado por Leonardo Padrón e protagonizado por Camila Sodi, José Ron, Kimberly dos Ramos e Rodrigo Guirao.

Sebastián Rulli caracterizado como Heitor em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

No Brasil, foi exibida pelo SBT de 14 de fevereiro a 13 de maio de 2005, em 70 capítulos, sucedendo 'Alegrifes e Rabujos' e antecedendo o programa 'Roda a Roda'. Nessa exibição a novela mesmo sendo um sucesso foi bastante cortada devido a venda de seu horário para o programa citado. 'Sisi' tomando péssimas decisões como sempre.

Foi reprisada pela primeira vez, pelo SBT, entre 13 de março e 15 de agosto de 2006 em 112 capítulos, sucedendo 'Canavial de Paixões' e antecedendo 'Feridas de Amor'. A segunda reprise ficou no ar entre 6 de maio e 15 de outubro de 2013, em 117 capítulos, substituindo 'A Usurpadora' e sendo substituída por 'A Madrasta'. Por fim, foi reprisada pela terceira vez entre 16 de janeiro e 29 de maio de 2017, em 96 capítulos, substituindo pela segunda vez a novela 'A Usurpadora' e sendo substituída por 'No Limite da Paixão'.

Nos prêmios TVyNovelas de 2005 recebeu sete indicações saindo da premiação com cinco estatuetas, incluindo melhor novela, atriz e ator.

Barbára Mori em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

No geral, 'Rubi' foi uma novela incrível que acertou em trazer uma novidade, num momento em que tudo estava na casa do conforto na Televisa. O maior mérito da novela sem sombre de dúvida foi a escalação de Bárbara Mori na personagem-título que incorporou a personagem como ninguém, a adaptação de Ximena Suárez foi outro ponto responsável por esse sucesso, assim como a produção de José Alberto Castro. Enfim, 'Rubi' é um clássico inquestionável.




Siga a nossa revista no Flipboard
View my Flipboard Magazine.



Siga o nosso perfil no Google News




Siga-me no Twitter: @EduardoOAlves2 



Aparato do Entretenimento

Criado em 2014, o "Aparato do Entretenimento" traz ao seu leitor uma gama versátil de conteúdo. Conta com colunistas especializados em áreas de atuação diferentes, que visam desta forma atender a você querido(a) leitor(a). Além da sua visita, esperamos ser seus amigos e como seremos pode nós dar aquela dica para melhorar, um puxão de orelha, elogiar. Acima de tudo queremos sua participação.


0 thoughts on “Relembrando Sucessos: Rubi, uma protagonista vilã em um folhetim que fez história