Aparato do Entretenimento: Relembrando Sucessos: Sortilégio, Carla Estrada vai à praia na produção de uma novela bem quente
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Relembrando Sucessos: Sortilégio, Carla Estrada vai à praia na produção de uma novela bem quente


William Levy e Jacqueline Bracamontes em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

Em 2007 Carla Estrada decidiu produzir uma nova novela de época que foi chamada de ‘Pasión’, esse foi o terceiro folhetim seguido de época da produtora e era nítido o desgaste de tais produções, tanto que não deu outra e a novela foi um dos grandes flops daquele ano.

Já em 2009, Carla decidiu abandonar de vez o tal gênero e apostar em uma novela moderna ambientada na praia, a produtora soube aqui produzir uma trama atual e clássica ao mesmo tempo, usando vários truques folhetinescos, ao mesmo tempo que entregava uma das produções mais sensuais da história da Televisa: ‘Sortilégio’.

Siga o nosso perfil no Instagram
@aparato_entretenimento


William Levy e Jacqueline Bracamontes em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A


Uma história de enganos e traições, onde o ódio que Bruno sente por seu meio irmão, Alessandro, o leva a planejar sua morte só para se tornar herdeiro de sua fortuna.

Maria José é uma jovem simples, que espera com ilusão o dia de seu casamento com Alessandro Lombardo, sem suspeitar que seu "Alessandro" é na verdade Bruno, meio-irmão de Alessandro. Bruno planeja algo terrível: se casar com Maria José, utilizando o nome de Alessandro e depois matá-lo, para que sua jovem "viúva" herde sua fortuna e, como tem certeza que ela o ama, a convencerá a lhe dar todo o dinheiro. 


Alessandro sofre um terrível acidente e é dado como morto, mas na verdade é resgatado por camponeses que salvam sua vida. Certo de que obteve êxito em seu plano, Bruno finge ter encontrado a certidão de casamento de Alessandro e Maria José. Bruno volta ao povoado, conta a verdade para o pai de Maria José e sob ameaça o obriga a aceitar ser seu cúmplice. Depois tenta convencer Maria José, que está em estado de choque com o engano, a repartir a herança, mas ela se assusta e foge. Bruno vai atrás e exige que volte, ameaçando denunciar seu pai à polícia. 


Alessandro retorna para casa e não se lembra de sua "suposta" esposa, mas atribui amnésia ao acidente. Ele se encanta com Maria José e tenta se lembrar do relacionamento que houve entre eles. Maria José percebe que está se apaixonando por ele e sua consciência não a deixa em paz. Bruno, por sua vez, está cada vez mais agressivo e ameaçador. A atitude de Maria José faz aumentar as suspeitas de Alessandro que a pressiona para que lhe diga a verdade.

Com a convivência, Alessandro e Maria José acabam se apaixonando. Ela sabe que Bruno é um homem sem escrúpulos e, caso conte a verdade, pode colocar em risco à vida de seus seres queridos. Mas sabe também que, se continuar calada, a vida que corre perigo é do homem que realmente ama.


David Zepeda, Daniela Romo, Chantal Andere e William Levy em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A


‘Sortilégio’ é um remake de ‘Tú o Nadie’ e ‘Acapulco, Cuerpo y Alma’, produções de 1985 e 1995 respectivamente. A história original teve como roteirista, María Zarattini que novamente adaptou sua história para a televisão, o público de início não gostou da ideia, pois muitos achavam que iam assistir a uma mesma história sem novidades, mas foi nisso que Zarattini acertou em sua adaptação, soube reeditar sua obra de maneira muito satisfatória, colocando muitos novos elementos na mesma, não tornando ‘Sortilégio’ apenas mais um remake sem novidade alguma.

Carla Estrada caprichou na produção, principalmente na escolha de seu elenco, na direção de cena que por sinal foi maravilhosa a cargo da sempre competente Mónica Miguel, acertou na escolha de história e roteirista, assim como soube escolher um figurino de muito bom gosto. No entanto a produtora errou na escolha da cenografia, a mesma era fraca e com cores muito chamativas que incomodavam, parecia até cenários de novelas de Salvador Mejía e Juan Osorio.


David Zepeda e Jacqueline Bracamontes em foto promocional - Créditos: Televisa S.A

Agora o elenco foi um ponto bem alto da trama, Jacqueline Bracamontes vinha de dois fracassos seguidos e aqui teve seu melhor papel dentro de uma produção, soube defender Maria José de uma maneira muito satisfatória, esbanjando carisma em cena com ela e também se sobressaiu na pele de Sandra, uma jovem viciada em droga e que era irmã gêmea de Maria José.


Vale dizer que Jacqueline não foi a primeira opção para viver Maria José e sim Anahí, que chegou ainda a negociar sua participação na novela com Carla, mas depois alegou que estava com sua agenda lotada e que não poderia aceitar. Dizem as más línguas que o real motivo dela não aceitar foi devido as inúmeras cenas sensuais que teria que rodar com William Levy. Já para viver Sandra, esteve primeiramente cotada a atriz Aracely Arámbula, mas a ideia não seguiu em frente e por fim Carla decidiu que as personagens seriam gêmeas.



William Levy teve a melhor interpretação de sua carreira na pele de Alessandro, um homem que era odiado por seu meio-irmão e que era vítima de várias falcatruas. Sua química em cena com Jacqueline era ótima e Levy é a verdadeira prova de quando um ator sem muito talento como ele é bem dirigido, a coisa pode dar certo.

O casal vivido por William e Bracamontes saiu da ficção para a vida real, nesse momento o ator estava separado de sua esposa Elizabeth Gutiérrez, mas logo em seguida ela apareceu grávida colocando um ponto final na relação dos intérpretes. 
David Zepeda e William Levy em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A


David Zepeda realizou seu debut na Televisa como Bruno, um jovem invejoso e que sentia uma inveja e raiva infinita de seu meio-irmão Alessandro. Zepeda brilhou no personagem, tendo a melhor atuação da novela ao incorporar um homem muito detestável e que conseguia movimentar toda a produção com suas armações.

Daniela Romo se saiu muito bem na pele de Vitória, uma mulher cheia de segredos e que tentava manter a harmonia entre seus filhos, mas que fique claro que a peruca que a atriz usou não colou em nenhum momento. Gabriel Soto foi outra grata surpresa na pele de Alonso, um jovem que se envolvia com Vitória uma mulher bem mais velha que ele, o casal formado por eles foi bem aceito pelo público por sinal.

Chantal Andere brilhou como sempre na pele da histérica Raquel, uma mulher alcoólatra e que vivia fazendo barracos e atormentando Maria José. Chantal por sinal esteve na versão anterior da novela, ‘Acapulco, Cuerpo y Alma’ onde ela deu vida a Haydée a vilã romântica da trama que nessa versão passou a se chamar Maura e foi defendida por Ana Brenda Contreras.

Ana Brenda Contreras em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A


Falando em Ana Brenda, ela foi quem passou em branco, Maura não teve um grande desenvolvimento por parte dos roteiristas e ficou apenas na promessa de uma grande vilã romântica.

Ainda se destacaram Marcelo Córdoba e Julián Gil em seu debut no México como Roberto e Ulisses. O primeiro era casado com Raquel e vivia em pé de guerra com a esposa e que posteriormente tinha um caso amoroso com Ulisses, um gigolô que se envolvia com qualquer pessoa.



Vale comentar que as inúmeras cenas sensuais do folhetim caíram no gosto do público, o roteiro não economizou nas inúmeras cenas com atores descamisados e também nas várias sequências de amor entre os protagonistas. 

Chantal Andere e Marcelo Córdoba em foto promocional do folhetim - Créditos: Televisa S.A

Siga a nossa revista no Flipboard
View my Flipboard Magazine.


No Brasil, foi exibida pelo SBT entre 27 de outubro de 2014 até 27 de fevereiro de 2015 em 88 capítulos substituindo ‘Meu Pecado’ e antecedendo ‘Coração Indomável’.


Foi reprisada de 16 de outubro de 2017 até 30 de janeiro de 2018 pelo SBT em 76 capítulos, sucedendo ‘No Limite da Paixão’ e antecedendo novamente ‘Coração Indomável’.

Aqui no SBT a história sofreu uma alteração na dublagem a pedido do canal e o casal gay virou hétero e a trama dos dois foi praticamente diluída.

Siga o nosso perfil no Pinterest


Nos Premios TVyNovelas, o melodrama recebeu oito indicações, conseguindo vencer em quatro categorias, incluindo melhor vilão para David Zepeda e melhor primeira atriz para Daniela Romo.



Por fim a produção ainda ficou marcada como a última novela de Carla Estrada, que decidiu se dedicar a outras áreas televisivas. Posteriormente a produtora produziu duas minisséries que retratavam a vida do cantor Joan Sebastián e da atriz Silvia Pinal. Em 2020, Carla irá realizar a nova versão do seu clássico 'O privilégio de Amar' de 1999, agora em formato de série dentro do projeto 'Fábrica de Sueños'.

William Levy e Jacqueline Bracamontes em foto promocional da novela - Créditos: Televisa S.A

Siga o nosso perfil no Google News

No geral, 'Sortilégio' foi uma novela que não teve medo em apostar em coisas novas, num momento em que tudo andava meio morno na Televisa, foi uma história ágil repleta de reviravoltas e que cativava mais o público a cada capítulo. Enfim, uma novela que sempre será recordada com muito carinho.


Siga-me no Twitter: @EduardoOAlves2 



Aparato do Entretenimento

Criado em 2014, o "Aparato do Entretenimento" traz ao seu leitor uma gama versátil de conteúdo. Conta com colunistas especializados em áreas de atuação diferentes, que visam desta forma atender a você querido(a) leitor(a). Além da sua visita, esperamos ser seus amigos e como seremos pode nós dar aquela dica para melhorar, um puxão de orelha, elogiar. Acima de tudo queremos sua participação.


0 thoughts on “Relembrando Sucessos: Sortilégio, Carla Estrada vai à praia na produção de uma novela bem quente