Aparato do Entretenimento: Entrevista - José Armando Vannucci

style='border:none;overflow:hidden;width:339px;height:200px;'>
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Entrevista - José Armando Vannucci



É com muito orgulho que o Aparato do Entretenimento, estreia sua primeira entrevista, e não podia ser com ninguém melhor do que José Armando Vannucci.

“Jornalista, autor do blog Parabólica JP, coordenador de produção e repórter da Jovem Pan AM, colunista no programa Todo Seu, da TV Gazeta... UFA, esta é a definição deste renomado colunista de tv no seu perfil no Twitter, se você se cansou, saiba que não chegamos ainda nem na metade. Pai, zeloso, carinhoso, corajoso e pronto para novas experiências, já admitiu em suas andanças que trabalha no que mais gosta descobrir o que paira atrás e diante das câmeras do cubo mágico que é a televisão”.


Bom primeiramente obrigado por nos conceder esta entrevista, é sempre bom ter pessoas assim como você, sempre disposto a compartilhar o que sabe. Vamos às perguntas, se prepare, pois não vou pegar leve.
Serão apenas cinco perguntas, vamos lá então.
Quando você concede entrevista para algum canal, blog ou até para tv sempre ou quase sempre as perguntas pairam sobre o mundo televiso. Chegaremos ainda neste ponto, mas antes nos conte um pouco como foi sua infância, suas estrepolias e se possível nos conte um fato engraçado que você nunca esqueceu.

 “Minha infância foi de muita brincadeira, estudos, amigos. Nunca fui de aprontar muito, mas sou de uma geração que podia brincar na rua e isso faz a diferença. Tive muitos amigos. Apesar de uma certa timidez, gostava de conversar com as pessoas e ouvir suas histórias dos amigos do meu pai, que era músico e publicitário. Acho que foi assim que peguei gosto pelas entrevistas. Desde pequeno gostava de TV e lembro de ter assistido a novelas da Tupi e algumas da Globo com minha mãe. Ela faleceu quando eu tinha 14 anos de idade. Como disse, apesar de brincar na rua e ter muitos amigos, não aprontei muito, mas durante umas férias no sítio de um tio, brincando com meu irmão num carro que estava estacionado, soltamos o freio e o veículo desceu (com os dois dentro) até a piscina. Não caiu na piscina porque havia uma mureta que segurou. É óbvio que o castigo foi longo e as férias curtas”.

Você comanda um quadro no “Todo Seu” do Ronnie Von há vários anos, como surgiu este convite? E o mais importante este vínculo de amizade persiste fora do ambiente de trabalho?

“A primeira participação que tive na Gazeta foi no programa da Ione para falar sobre a estreia do “Big Brother Brasil”. Algum tempo depois, quando o Todo Seu foi para a noite, fui convidado para o ‘Visão Masculina”. Na hora o Ronnie comentou com a direção que gostou da forma como falava sobre TV. Algumas semanas depois, Ellen Dastry (diretora do programa na época) pediu para conversar e fez a proposta do quadro. Aceitei por seis meses. Passou este período e renovamos o compromisso por mais alguns meses. O tempo passou e lá estou eu há oito anos.
Tem algo interessante nesta história. Nos anos 60, meu pai integrava o Trio Maraya e chegou a cantar no programa do Ronnie na TV Record. Eram amigos. Anos depois, a filha do Ronnie foi casada com o filho do melhor amigo de meu pai. Os dois se encontravam em algumas festas. Só fui contar para o Ronnie de quem eu era filho depois que o quadro já estava consolidado. Acho que é por tudo isso que desde o começo tivemos uma química interessante e a amizade fluiu normalmente. Somos amigos e o Ronnie é meu mestre na arte de fazer TV. Aprendo muito com ele, assim como dou alguns “conselhos” como “Crítico de TV”. Brincadeira! Hoje, temos alguns amigos em comum, nos encontramos em festa, nossas famílias se conhecem".

O ano de 2013 não foi um dos melhores para a televisão, alguns programas não deram certo no SBT e na Record, demissões em massa em várias emissoras, queda de audiência nas novelas da Globo em praticamente todas as faixas e “crise” se assim podemos dizer na teledramaturgia da Record. A quais fatores você atribui estas recentes queixas? E mais, o que podemos esperar de 2014?

2013 foi um ano difícil para os veículos de comunicação porque tudo está muito pulverizado. Os anunciantes estavam mais cautelosos em seus investimentos e concentraram as verbas na Globo. Além disso, alguns formatos envelheceram, entre eles “Astros” e “Cante se Puder”, que foram cancelados no SBT, “O Aprendiz” e Ídolos”, na corda bamba da Record. Por lá, eles descobriram que não dá para manter banco de elenco sem atividade. A Globo repensa isso também e fará mais compromissos por obra. No caso da Record, há dois elementos. O primeiro é que a emissora tinha muita gordura com salários altos, poucos intervalos comerciais, além de  programas desgastados. O segundo foi uma disputa de poder nos bastidores que levou à troca de comando na emissora.
2014 não será muito diferente. As emissoras estão cautelosas porque as verbas publicitárias estão voltadas para a Copa do Mundo. Logo depois, haverá Eleições e a Propaganda Política obrigatória reduzirá o espaço para os programas”.  

O Brasil é visto como o espelho de novelas de bom conteúdo pelos países afora. Sabemos que você é um fã incondicional deste tipo de trama, então queremos saber. Que tipo de novela mais te atrai? Dentre as muitas já assistidas, qual é considera a melhor ao seu ver? E qual a pior?

"Gosto de novela bem escrita, independente do tipo e autor. Assisto desde pequeno e ainda lembro de algumas cenas de “Como Salvar Meu Casamento?”, que nem terminou na Tupi, e de quanto ficava impressionado com “Saramandaia” e de “O Bem Amado”, que só podia assistir com minha mãe. Tem uma história que preciso contar. O último capítulo de “Pedra Sobre Pedra” assisti numa televisão portátil ligada no carro. Viajei com uns amigos para Campos de Jordão e quando chegamos na casa alugada não havia televisão. Uma menina havia levado uma TV portátil que também podia ser ligada no carro. Só esquecemos de deixar o motor acionado. Com isso, acabou a bateria do carro. Não direi uma melhor novela. Listarei algumas: “Roque Santeiro”, “A Viagem”, “Que Rei Sou Eu?”, “Guerra dos Sexos”, “A Próxima Vítima”, “Saramandaia”, “Dancin’ Days”, “Tieta”, “Pantanal”, “Renascer”, “Escrava Isaura”, “A Favorita”.
A pior? “Antonio Alves, Taxista” e “Cortina de Vidro" estão nesta lista."

O final do ano de 2013 rendeu muitos assuntos para os colunistas de tv, gerou intenso burburinho nas redes sociais, principalmente no twitter, devido à troca de cadeiras de artistas de uma emissora para outra, dentre estas, a mais recente corresponde à saída do apresentador Danilo Gentili da Band para o SBT. O que você achou dessas mudanças? E claro, nos adiante uma “bomba” sobre o programa do Gentili no SBT.

"Ainda não há bomba sobre o programa. Danilo está em férias e só vai começar a desenhar sua nova atração quando chegar. Esta foi uma contratação que pode mexer com o SBT e aponta a vontade do novo na emissora. Acredito que ainda dará muito burburinho e que os números serão bons quando o talk show  estará no ar.  E qualquer coisa que saia sobre o programa antes do dia 15 de janeiro, duvide um pouco".

“Agradeço a sua colaboração, nunca tive dúvidas do quão profissional você é, atento e mais importante imparcial ao noticiar sobre o vasto mundo dos bastidores da tv. Lhe desejo um excelente 2014 e que seja repleto de noticias em primeira mão. Sucesso na carreira profissional e pessoal...”.
Atenciosamente...
Equipe do Aparato do Entretenimento.

"Obrigado vocês. Como disse, gosto de trocar ideias e ouvir histórias. Contem comigo. Algo me diz que 2014 vai surpreender. Feliz ano novo a todos!".




Gostou? Comente. Não gostou? Também comente. O importante é dar sua opinião!
Até a próxima.



Aparato do Entretenimento

Criado em 2014, o "Aparato do Entretenimento" traz ao seu leitor uma gama versátil de conteúdo. Conta com colunistas especializados em áreas de atuação diferentes, que visam desta forma atender a você querido(a) leitor(a). Além da sua visita, esperamos ser seus amigos e como seremos pode nós dar aquela dica para melhorar, um puxão de orelha, elogiar. Acima de tudo queremos sua participação.


0 thoughts on “Entrevista - José Armando Vannucci