Aparato do Entretenimento: Entrevista - Jorge Tadeu

style='border:none;overflow:hidden;width:339px;height:200px;'>
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Entrevista - Jorge Tadeu


“Quem nunca ouviu, leu ou contou uma Lenda Urbana? Desde as clássicas, até as mais atuais. Dentre as muitas versões, uma fez muito sucesso, com direito a até uma variante na tv aberta. Tudo isso foi remasterizado pelo renomado jornalista Jorge Tadeu e sua mente célebre. Formado pela PUC-SP, em 1992, já teve passagens por grandes veículos de comunicação. Atualmente desempenha a função de redator do Programa Domingo Legal no SBT. E é com ele que falamos hoje...”. 

Fiquei muito grato pela sua disponibilidade em atender ao pedido do blog para conceder esta entrevista. Muito Obrigado. Como o público do blog já esta acostumado, são cinco perguntas, sobre os mais diversos assuntos que envolvem sua pessoa. Pronto? Sim? Não? Ah, sem demora, vamos às perguntas...

Sem dúvidas em sua carreira, você teve altos e baixos, como qualquer ser humano. Hoje vendo tudo o que se passou, faça um balanço. Arrepende-se de algo que tenha dito ou feito em decorrência de uma imaturidade prematura? Em outro extremo cite um momento engraçado, que nunca esqueceu e que marca sua vida até hoje.

Agradeço a oportunidade que o Blog Aparato do Entretenimento me concede. Sinto-me honrado. Bem, vamos às questões. Enquanto finalizava o curso de Jornalismo, no início da década de 90, estagiava no SBT, nas redações do 'TJ Brasil' e do 'Aqui Agora', sob supervisão de Albino Castro e José Dawache. Ali descobri a vocação para o jornalismo investigativo. Com o fim do estágio, tive a preciosa oportunidade de colaborar com a equipe chefiada pelos colegas jornalistas Xico Sá e Oscar Pigallo, do jornal Folha de S.Paulo, numa matéria investigativa sobre a máfia que envolvia empreiteiras paulistas em licitações para construção de escolas para o governo do estado de São Paulo, que ganhou as páginas do jornal sob o título "Anatomia de uma licitação". Esse trabalho rendeu o Premio Esso de Jornalismo na categoria 'reportagem especializada'. Mas, usando um velho chavão, 'nem tudo são flores', e o jornalismo investigativo - por mais bem realizado que seja - te expõe a alguns riscos, incluindo perseguições e ameaças. De qualquer forma, em razão de um chamado para administrar negócios familiares, me afastei temporariamente do jornalismo, até retornar escrevendo matérias avulsas para revistas da Editora Abril e para o antigo jornal Diário Popular. Com a chegada da internet ao Brasil, participei da elaboração e consolidação da área infanto-juvenil do Portal iG, através do projeto KidSurf. Em paralelo, já trabalhava em um Blog que criei, que retratava os acontecimentos relativos ao acidente aéreo ocorrido em 1996 com uma aeronave da TAM, que desafortunadamente, caiu sobre minha casa! Bem, desse Blog surgiu um site, o desastresaereos.net, e por ai fui caminhando em meu trabalho jornalístico, em várias mídias, até que, em 2007, fui convidado pelo apresentador Augusto Liberato para conceder uma entrevista ao Domingo Legal. Acabei roteirizando eu mesmo a matéria que serviria de apoio à entrevista (com a ajuda de dois colegas do SBT, Fábio Ortense e Carlos Costa), que desbancou naquele domingo o Fantástico, dando a liderança isolada ao SBT. Daí fui convidado para trabalhar como redator do programa e lá se vão estes anos todos. Sobre arrependimento, não lembro de nada que fizesse de outra forma. Passei por momentos difíceis, "engoli muito sapo", trabalhei com pessoas que - digamos - pertencem ao 'lado negro da força' (risos), mas sempre me mantive firme, honesto, dedicado, colocando o profissionalismo sempre em primeiro lugar. Um momento muito engraçado aconteceu durante um Domingo Legal. Enquanto aguardava sua vez de participar, um cantor sertanejo famoso (prefiro não citar o nome) começou a conversar comigo nos bastidores sobre umas ideias que ele tinha para um quadro novo para o programa, que teria a participação dele e que seria sucesso certo. E ele falava, dava detalhes, tudo numa empolgação que eu nem conseguia falar nada. Bem, ele só parou na hora que chegou a vez de se apresentar. Na saída do palco, caminhando apressado para uma viagem, ele virou pra mim e disse: "Pensa direitinho nessa ideia que é sucesso, viu Dirlan!" (risos) (o amigo Dirlan Jorge era co-diretor do Domingo Legal e hoje está na RedeTV)”. 

Clique no texto abaixo e veja os ganhadores do Esso do ano de 1993.

Dizem que escrever é um dos melhores hábitos que uma pessoa pode ter, conciliado a uma boa dose de leitura, pode aumentar a expectativa de vida. Não sei, acredito que em sua vida este hábito seja constante, estou enganado? Quais são seus livros de cabeceira?

“Antes até de escrever, diria que ler é uma das principais atividades que o ser humano deve exercitar. Quem lê, fala e escreve melhor. Quem lê, adquire conhecimento. E com uma boa bagagem de experiências vividas e lidas, pode-se até tornar-se um escritor! E - com certeza - o hábito de ler e escrever mantém a mente ativa, portanto, ajuda na longevidade. É difícil apontar um ou dois livros preferidos. Sempre li de tudo: os clássicos da Língua Portuguesa e estrangeira, biografias, obras de não-ficção que relatam períodos importantes da história, etc. Mas desde criança, tive uma preferência pelos livros de mistério e suspense, como os contos e histórias de Edgar Allan Poe, Agatha Christie, Arthur Conan Doyle, Alexandre Dumas e assim se seguiu até hoje, lendo também autores mais recentes, como Stephen King, R.L.Stine e os brasileiros Marcos Rey e André Vianco, entre tantos outros”.

Sucesso lançado pela Editora Planeta, os livros Lendas Urbanas e Lendas Urbanas 2 agradaram um grande público. Diga-me como surgiu o convite para escrevê-los? Sua versão para tv, surgiu antes ou depois do lançamento do livro? Pensa em dar continuidade a série ou ainda quem sabe escrever outros livros voltados para este gênero? 

"Recebi o convite para escrever o livro a partir do sucesso do quadro "Lendas Urbanas", do Domingo Legal. O grande barato dessa obra é ter feito o caminho inverso percorrido normalmente, ou seja, ao invés de o livro dar origem a uma novela, série ou filme, os meus roteiros de TV deram origem aos livros. Escrevi 55 histórias/roteiros, sendo que 20 delas já foram adaptadas para os livros. A Editora Planeta já me comunicou que planeja lançar o "Lendas Urbanas 3" em 2015. Adoraria que a série voltasse para a TV, pois sempre surgem novas e misteriosas histórias que ainda precisam ser contatadas...". 

Quer comprar os livros escritos pelo Jorge, acesse os link de acordo com a loja de sua preferência... 
Submarino                          Fnac
         Saraiva

 



   
  Lenda Urbana "A Mulher de Branco" exibida no Domingo Legal no dia 29/07/2012. Créditos vídeo canal SBT Online do youtube. 

O trabalho de roteirista abrange uma área bem extensa, podendo trabalhar em diversos eixos do entretenimento e propaganda. Como você vê os casos das TVs abertas em geral que compram programas “prontos” para adaptação tupiniquim, mesmo com o enorme talento de redatores, autores e roteiristas brasileiros? Estamos órfãos de criatividade?

“Ideias não faltam. Conheço redatores com enorme talento, muitos deles são colegas do SBT. A compra de licenças de programas tem ligação com o comportamento do mercado publicitário. Como estão sempre de olho nos números do Ibope, as TV’s têm que trabalhar com bons resultados num curto espaço de tempo. Portanto, algo que já foi experimentado e deu certo, tem mais garantias do que um produto novo. Acredito que a aposta em novos programas seja um sonho não apenas dos roteiristas, mas também das pessoas que apoiam o crescimento da produção nacional e dos que acreditam que, em breve, com a TV tornando-se menos “amarrada” aos números de um único instituto de pesquisas, crie-se um ambiente favorável ao investimento no potencial de criação dos brasileiros”.

Há meses na vice-liderança consolidada, o Domingo Legal mostrou uma nova roupagem a partir da hora em que Celso Portiolli assumiu o comando. Quadros antigos voltaram a tona, além da volta do Passa ou Repassa. Conte-nos, como é trabalhar no SBT? E o clima na produção do Domingo Legal, é propício para fluir um trabalho agradável? Vem novidades por ai no programa?

“A nova roupagem do Domingo Legal foi moldada de tal forma que “vestiu” perfeitamente no Celso. O programa hoje é a cara do Celso Portiolli. A maior presença de atrações de palco e a volta do ‘Passa ou Repassa’ são prova de como essa “pegada” do DL vem funcionando muito bem. Mas essa roupagem está sempre em constante análise e aberta à mudanças. O Portiolli é extremamente dinâmico, curte muito as novidades, e – ao lado do nosso querido diretor, o Magrão – está sempre trocando ideias com toda a equipe. E o ambiente de trabalho é o melhor possível, o que favorece. Existe tensão? Sim, mas nada que não resista ao profissionalismo de uma galera muito criativa e descontraída, que veste pra valer a camisa do programa. Deixando a modéstia de lado, a equipe do Domingo Legal é uma seleção de craques! E este ano promete! Teremos muitas novidades pela frente. Como costuma dizer o Patrão, “aguardem!”. 


“Agradeço novamente a disponibilidade em atender ao blog. Desejo-lhe um 2014 excelente, cheio de conquistas e novas ideias para o Domingo Legal. E claro para completar com chave de ouro, espero que desta cabeça surja um novo livro, de preferência de terror ou suspense, afinal você manda muito bem neste gênero”.

Atenciosamente...
Equipe do Aparato do Entretenimento.

Ficou interessado e quer conversar, tirar suas dúvidas ou apreciar o trabalho do Jorge, pode encontrá-lo...
                                 Twitter              Site                      Facebook   
                           Desastres Aéreos         Editora Planeta

Gostou? Comente. Não gostou? Comente também. O importante é dar a sua opinião.




Aparato do Entretenimento

Criado em 2014, o "Aparato do Entretenimento" traz ao seu leitor uma gama versátil de conteúdo. Conta com colunistas especializados em áreas de atuação diferentes, que visam desta forma atender a você querido(a) leitor(a). Além da sua visita, esperamos ser seus amigos e como seremos pode nós dar aquela dica para melhorar, um puxão de orelha, elogiar. Acima de tudo queremos sua participação.


2 thoughts on “Entrevista - Jorge Tadeu