ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Aplausos ou vergonha alheia, relembre o que foi destaque na TV brasileira durante o ano de 2017


A TV brasileira é feita de momentos, ciclos e durante este ano de 2017 tivemos os mais diversos. Para tal, reunimos parte da equipe do Aparato do Entretenimento para destacar quais foram estas sublimes aparições. Vem com a gente!



#VergonhaAlheia


Um dos piores momento de 2017 foi quando Dudu compareceu ao “Pânico na Band”, no domingo, dia 25/06/17 e comandou a atração no lugar de Emílio Surita. O rapaz leu os TPS do programa, chamou matérias e surpreendeu muita gente na internet. O motivo da aparição de Dudu no programa se deu porque o mesmo também havia gravado uma matéria para o programa no qual “caia na balada” a procura de uma possível namorada, trata-se do “Se beber, não grave”. Nas imagens levadas ao ar, Dudu Camargo, que comanda o “Primeiro Impacto” no SBT, mostrou que estava disposto a fazer qualquer coisa para ficar com uma das “mulheres”. Uma das cenas que mais chamou a atenção se deu quando Dudu fez uma alusão que estaria “se divertindo” com duas mulheres. O fato é que o apresentador “bebeu” e realmente entrou em todas as “brincadeiras” do humorístico. O fato foi motivo de risada e foi parar nos Trendics Topics do Twitter, o “jornalista” do SBT, realmente mostrou que não estava preparado para a TV. 


#ReiÉReiNéPai


Programa Silvio Santos segue como um dos únicos programas dominicais que prossegue com a intenção de divertir o telespectador - com formatos leves, divertidos e de grande repercussão, sem apelar ao senso comum. Claro que tem como apresentador um gênio da comunicação que continua sendo o maior referencial de comunicador do país. Destaque para os momentos icônicos do Jogo dos Pontinhos ao lado dos colegas de trabalho. Risadas garantidas.



#AíQueLoucuraNarcisa


Programa Eliana… Decaiu, decaiu feio mesmo, entrou no roll dos apelos das lágrimas e se rendeu facilmente ao sensacionalismo. O diferente no entanto é a dosagem apesar da similaridade nas pautas, o programa tem uma edição mais leve e contrapõe com quadros mais divertidos. A figura da Narcisa que definitivamente é o maior acerto do atual programa.


#MenosLágrimasMaisFaro


O Hora do Faro continuou apelativo, porém a figura do Faro como apresentador contrapõe toda a carga emocional de suas matérias, ele humaniza as situações de forma coerente e coesa. Torna o programa assistível devido a sua sensibilidade ao tratar seu “personagem”, no mais, é o único que posso indicar em vista aos demais.


#SilvioSeSuperaACadaAno


Como melhor, indico o Programa Silvio Santos: passou por reformulações, deixou de ser um grupo de programas para ser um só, mas com o mesmo estilo: descontraído e alegre, uma opção para fugir do marasmo atual de programas que só apelam ao choro, ao famoso sensacionalismo. Silvio consegue fazer de um simples quadro, algo interessante que todos ficam interessados em ver o que pode acontecer, como é o caso do Jogo dos Pontinhos, onde todo mundo sabe como começa, mas nunca sabem como termina.


#CargaDramáticaEmExcesso


Como pior, Domingo Show, o programa faz com que a TV derrame lágrimas sem parar, um sensacionalismo e assistencialismo tremendo, principalmente quando pegam várias histórias de crianças, muitas, do sertão nordestino. Em um dia como domingo, onde várias pessoas querem esquecer dos problemas por um dia, programas como esses não deixam por um momento sequer que tenha algo alegre na TV, ainda mais começando às onze da manhã e terminando após três da tarde. Sem falar na demora ao relevar determinado segredo, ou prêmio. Tem que ter paciência, muita paciência...


#TeletonMaisFoiBemMais


Silvio Santos como sempre foi o ponto alto da edição de 2017 do Teleton, com toda sua desenvoltura, conseguiu unir o público de casa ao redor da causa e ao mesmo tempo entreter o seu núcleo. Destaque para o Teleton+, versão de subtela do Teleton na TV, transmitido pela internet sobre o comando de Celso Portiolli e Maisa, que por várias ocasiões mostrou-se mais completo do que a oficial. Quadros, convidados e a abertura que só a internet disponibiliza.


#ParabénsFaro


Por mais que alguns críticos condenem a tutela de Rodrigo Faro perante a TV aos domingos, é inegável que Faro consegue conduzir de forma brilhante um programa com alta carga emocional, aproximando-se de seus personagens e utilizando-se de seu bom humor e tato pessoal para tratar com o telespectador e seus convidados. No ano de 2017 não foi diferente, Rodrigo brincou, chorou, se dedicou e melhor, foi entregue a sua atração. Prova disso foram os vários dias na vice-liderança e alguns momentos de primeiro lugar no ranking do Ibope.


#SeSoltaMaisDedinhos


Eliana é uma excelente apresentadora, porém seu reinado absoluto são as entrevistas e externas que conduz com uma riqueza extraordinária. Michaelichen consegue o melhor do entrevistado sem pedir muito, o trato com os mesmo são de uma delicadeza sem precedentes, no palco no entanto Eliana fica presa a um TP e ordens do diretor. Quadros de entretenimento como o “Famosos da Internet” e “Vai dar namoro” por exemplo, são o calcanhar de aquiles da apresentadora, quadros onde a loira poderia soltar-se mais, algo ao estilo Patricia Abravanel de ser. Eliana foi forte neste 2017 de Deus e a prova final é a abençoada Manu. 


#MudançaDeCadeiras


Intenso, e como. TV Gazeta que o diga. Em menos de um mês perdeu dois apresentadores de seu casting principal: o padre Alessandro Campos e a sua cereja do bolo, Catia Fonseca, a última rumou em direção a Band. Sucesso para ambos, mas o que não deixa de causar estranheza é que Ronnie Von também está quase nos finalmente. Gazeta, o que houve? 


#MasterChefSemFim


A Band tem seu carro-chefe, mais conhecido como MasterChef Brasil, a edição no entanto, ou melhor, edições foram o ponto crucial da grade da emissora. Preenchendo grande parte do ano, a Band, tornou-se uma grande filial do reality. Só se falava nisso. Não que seja ruim, longe disso, mas espaço para outros realiys, como “Pesadelo na Cozinha” não teve. 


#OAnoFoiMaisDoce


A saída de Ticiana Villas Boas da apresentação do “Bake Off Brasil” não funcionou como uma pedra no sapato, ao contrário, a equipe do formato soube fazer um belo bolo. A chegada de Carol Fiorentino ao reality culinário trouxe audiência, retorno comercial e maior apreço do público. Beca Milano também, aliás, Beca, soube mostrar além de beleza, grande repertório e conhecimentos no ramo. “Bake Off Brasil” foi o reality culinário do ano de 2017.


#JôSaiuMasBialTáÓtimo


Jô Soares tá em recesso, descansando a mente e corpo, colocando as ideias em ordem para voltar com gás total. Neste hiato, a Rede Globo, escalou ninguém menos do que Pedro Bial, o filósofo do Big Brother Brasil. Escolha digamos que arriscada. Pedro tem alma culta. Engana-se, Bial é do povão e dos ricos, Bial é do coletivo. Seu programa na Globo foi um grande acerto. Jô pode ficar sossegado, seu legado está bem representado.


#TiagoDaMassa


Universo dos games, geek, nerd manias. Tiago Leifert é tudo isso e muito mais, um combo humano. E para alguém tão eclético, jovem e factual, um projeto a altura. O antigo programa apresentado por Pedro Bial, o temido e polêmico “BBB”. Leifert no começo patinou, teve seus deslizes, entrou fora do contexto, afagou demais os participantes, se envolveu. No meio do caminho pegou a direção correta e deslanchou. Está longe de ser um Pedro Bial, lógico, mas conseguiu impregnar seu próprio DNA no programa. 


#CarnavalFoiBemVerde


Que vergonha, tô rindo, mas tô preocupado. Em fevereiro durante o Carnaval 2017, durante a exibição do icônico Bastidores do Carnaval na RedeTV! a modelo Ju Isen mostrou mais do que devia. A lástima intitulada “Cú Verde”, ganhou a internet e em menos de minutos tornou-se a notícia do momento. Isso é Brasil, ri ou chora. 


#FaloMesmo


Por essa Fátima Bernardes não esperava, em seu programa, durante um bate papo com a plateia, uma senhora foi questionada sobre sua opinião a respeito da exposição de nudez na arte. Sem medo, soltou o verbo, deixando atores da Globo desconfortáveis. Virou meme e tudo. 


#Adeus


Fim do Pânico, isso mesmo, o Pânico morreu. Ao menos na TV, por enquanto. A Band alegando insatisfação, optou por não renovar o contrato com a trupe de Emilio. RedeTV deve ter amado, Encrenca que o diga. 


#ABombaEstourouIgualEstalinho 


Tinha tudo para ser a edição de A Fazenda, mas o que era uma promessa, acabou por cair por terra. Com elenco pouco ácido e com atrito, a temporada foi morna. Sem grandes destaques. Barracos? Um aqui outro acolá. Entretenimento mesmo, foi Nahim e seus amigos na casa da árvore dormindo e fofocando. Sem falar na escalação de Marcos Hater… 


#LeonorCorrêaSabeOQueFaz


Um dos grandes acertos na teledramaturgia do SBT foi a inserção de Leonor Corrêa no quadro de autoras. A irmã de Fausto Silva, sabe o que faz. Sua novela “Carinha de Anjo” é a prova viva. O folhetim é grande? Imenso? Sim, mas não tem barriga. Flui bem, tem reviravoltas e contextos aceitáveis. O mais correto seria manter Leonor na função.


aqui começa o anuncio (coloque cor branca sobre está frase)
aqui termina o anuncio (coloque tinta branca sobre essa frase)

#UmReiMesmo 

Caio Castro evolui gradualmente como ator atingindo um dos seus ápices em sua memorável interpretação de Dom Pedro na novela novo mundo da Rede Globo. Castro construiu um personagem com grande maestria aproximando uma figura histórica importante, de impacto, da realidade mais próxima em que os telespectadores pudessem criar uma empatia mais rápida e se afeiçoar com os dramas vividos pelo imperador. Uma interpretação correta e simples leva Caio a um nível mais alto em sua carreira, eliminando de uma vez por todas o estigma de “rostinho bonito”.




#RubinhoDoPovão 

Entrega, essa palavra define quem foi Emílio Dantas em “A Força do Querer” construir um personagem meio que antagônico não é uma das tarefas mas fáceis, entretanto Dantas cumpriu com mestria a tarefa. Rubinho cresceu graças ao seus companheiros de núcleo que gentilmente se conectaram na dosagem certa e também ao talento do ator que tornou o personagem um dos mais comentados do ano de 2017. Carga dramática, naturalidade e empatia na medida certa.




#IgorRickliSalvouARecordDoApocalipse 

Se Apocalipse é literalmente um apocalipse como trama, seu protagonista é uma exceção. Emendando um papel no outro, Rickli foi do antagonismo ao protagonismo de forma brilhante. Se em O Rico e Lázaro o público amou odiá-lo, em Apocalipse vem a reviravolta interpretando um hacker. O marido da cantora Aline Wirley nos entrega um personagem apaixonante, leve e coeso em uma interpretação natural. Sua parceria com Juliana Knush é um dos pontos altos da trama bíblica baseada no último livro da Bíblia.

#AtrizCamaleoa 

Se como cantora Karin se sobressai de forma brilhante, como atriz ela não deixa nada a desejar. Hills provou ao longo da carreira ser uma atriz camaleoa depois de corresponder no drama, agora se mostra uma potência grandiosa na comédia. Consolidando ainda mais seu nome. Karin brinca em cena, leva e traz o texto de forma natural e junto ao seu carisma não demora nem um minuto para que o telespectador não se envolva nas comilanças, nas aventuras da noviça. Não é só de Ragatanga que talento de Hills é feito.




#BibiPerigosa 

Se a novela de Gloria Perez tivesse outro nome, claramente seria “Bibi Perigosa” era só passear nas ruas que todos atribuíram a novela o nome da Bibi. Juliana Paes devolveu ao público noveleiro brasileiro a vontade de torcer, vibrar, se emocionar, gritar, xingar e sobre tudo sentar em frente a TV e isso se deve muito a genial interpretação de uma personagem que vai da rejeição a redenção passeando livremente com as emoções daqueles que estão assistindo suas cenas memoráveis. O que dizer de Juliana Paes? Bem vinda ao hall de personagens inesquecíveis.



#CarolDuarteEsseÉONome

Outro grande acerto da autora de “A Força do Querer” foi introduzir um personagem trans em um momento em que o país precisa conhecer e entender certos assuntos e entregá-lo a Carol Duarte, foi a melhor decisão, a atriz até então desconhecida se entregou aos dramas emocionais de um personagem que tinha tudo para ser rejeitado de forma clara, genuína, natural e impactante. Não era dificil não se solidarizar com os questionamentos da personagem. Duarte cresceu de forma gradual tornando-se uma das grandes revelações do ano.



#Ragatanga

Pablo Falcão foi o grande responsável por levar a internet abaixo com o anúncio do “Chá da Alice”, Falcão conseguiu o que era quase improvável reunir novamente a maior Girl Group que esse país já viu e com um algo a mais, Pablo reuniu a formação original do quinteto que tem como integrantes: Karin Hills, Aline Wirley, Lu Andrade, Fantine Tho e Lissah Martinz. Não demorou muito para o Rouge mostrar sua força. 15 anos depois do anúncio do final da banda as meninas lotaram 4 shows em São Paulo e Rio de Janeiro chamando a atenção da sua antiga gravadora Sony Music que não perdeu a oportunidade e firmou contrato com o grupo lançando assim seu catálogo nas plataformas digitais, o que agregou mais recordes, em poucos dias elas conseguiram entrar no Spotify 200 com nada menos que 20 músicas na maior playlist da plataforma, entraram nas 50 virais do Brasil com o seu hit atemporal “Ragatanga” alcançando o posto mais alto e milhares de seguidores no seu perfil oficial e na sua playlist "This is Rouge". Sentiram o poder? Ano que vem as garotas prometem terminar o que começaram, retornar ao trono do pop brasileiro com uma era e shows totalmente novos.





#Colorido

Entre cores e imaginação Tia Perucas é a representação mais lúdica do universo infantil, quem nunca desejou uma tia afetuosa e divertida assim? O sucesso da personagem se deve a Pri Sol que entregou uma peruca sob medida: envolvente e cativante. Seu jogo cênico com a “sobrinha” Lorena Queiroz é o ponto alto do núcleo principal da novela infantil. É óbvio - a técnica, naturalidade e o porte cênico da Pri em cada cena em que a personagem está envolvida... muito disso se deve a felicidade da sua intérprete ao desenvolver um trabalho para o público infantil. Se posso dar uma dica ao SBT, por favor não a deixe ir. Nova oportunidade em Aventuras de Poliana, por favor.


Você lembra da verdadeira essência da novelinha da Rede Globo? A temporada atual escrita por Cao Hamburger resgatou a verdadeira fórmula de uma Malhação de outrora, com uma história cativante, realista, pluralista e um elenco primoroso "Malhação Viva a Diferença" foi o grande acerto na programação da maior emissora do país. Destaque a intérprete de Benê, a atriz Daphne Bozaki, uma grande revelação do elenco juvenil que brilhou sem precedentes. Seja em plots individuais, grupais e principalmente com seu par romântico interpretado por Bruno Gadiol, uma grata surpresa, outra que merece as felicitações é Giovanna Grigio a menina renasceu como atriz chegando a um patamar que nada lembra a Mili de Chiquititas.


Espero que tenham curtido conosco essa viagem pelo ano de 2017 na TV. Sabemos que muitos outros momentos foram destaque, mas estes foram os que mais nos impactaram. Em 2018 a gente se encontra novamente nesta coluna. Até lá!

Artigo escrito por: @Hiago__Junior, @GrazyMaslow e @fernandoraggi



Aparato do Entretenimento

Criado em 2014, o "Aparato do Entretenimento" traz ao seu leitor uma gama versátil de conteúdo. Conta com colunistas especializados em áreas de atuação diferentes, que visam desta forma atender a você querido(a) leitor(a). Além da sua visita, esperamos ser seus amigos e como seremos pode nós dar aquela dica para melhorar, um puxão de orelha, elogiar. Acima de tudo queremos sua participação.


0 thoughts on “Aplausos ou vergonha alheia, relembre o que foi destaque na TV brasileira durante o ano de 2017